Tratamento de Bicos Ganha Inovação com Apoio da Planalto Postura

Tecnologia em parceria com a Nova-tech Engineering (EUA) trouxe ao Brasil pacote tecnológico que propõe revolucionar o manejo de bicos na avicultura de postura brasileira.

 

 

 

Novos experimentos de tratamentos de bico estão sendo conduzidos no Brasil em parceria entre o incubatório mineiro Planalto Postura e a tradicional Granja Mizohata, em Bastos (SP). Os resultados obtidos estão sendo considerados um avanço importante nesse que é um dos pontos nevrálgicos do manejo de aves de postura comercial. Parceira da Planalto Postura, a Granja Mizohata – dos avicultores Eduardo e Wagner Mizohata – passou a fazer testes em lotes de pintainhas de um dia da Lohmann LSL Lite-NA que já vieram com os bicos tratados no incubatório, com a tecnologia de injeção subcutânea e tratamento infravermelho de bico, desenvolvida pela empresa americana Nova-tech Engineering (NTE).

Os resultados do primeiro lote foram tão satisfatórios que o avicultor bastense foi gradativamente ampliando os lotes com bicos já tratados previamente com luz infravermelha. A partir desse semestre todos os lotes recebidos já estão sendo tratados 100% com essa tecnologia, já que as aves têm apresentado um desenvolvimento de peso, uniformidade e sanidade acima da média da granja.

 

Marco Antônio Soares, da Planalto Postura, com O produtor Eduardo Mizohata

 

O produtor Eduardo Mizohata (na foto de destaque com Marco Antônio Soares, da Planalto Postura) confessa que iniciou o tratamento por infravermelho com certo receio, mas acreditando na proposta da equipe técnica da Planalto Postura, novamente topou o desafio desse processo. A ideia de parceria foi lançada pelo gerente geral da Planalto Postura, o executivo Marco Antônio Soares, que entendeu que a tecnologia do tratamento de bico por infravermelho evoluiu bastante nos últimos anos e que ainda não havia sido adotada amplamente no Brasil pela ausência de customização para cada linhagem.

Por considerar que o tratamento com infravermelho é melhor para a ave – por questões de melhor ganho de peso corporal e bem-estar animal – e que a tendência mundial é pela proibição de tratamentos de bicos com lâminas quentes, em 2017 Marco Antônio fez um contato direto com o CEO da Nova-tech, nos Estados Unidos, para propor um estudo visando saber por que no Brasil a técnica não era melhor aproveitada, já que dispensa mão de obra, é segura do ponto de vista sanitário e muito mais adequada às exigências do bem-estar animal.

“Houve grande receptividade com a diretoria da Nova-tech, que propôs uma parceria interessante: a Planalto Postura ofereceria sua equipe técnica para ajustar o tratamento de bico por infravermelho à realidade da postura brasileira e a Nova-tech contrataria técnicos para dar todo o suporte necessário no Brasil. Diante disso, nos animamos a propor o trabalho em conjunto com a Granja Mizohata, que é uma parceira antiga e poderia nos auxiliar a entender o que seria necessário ajustar para o tratamento com infravermelho dar certo no Brasil”, conta o gerente geral da Planalto Postura, muito satisfeito com os resultados. Ele admite que ainda são poucos os clientes que já possuem lotes alojados com o novo tratamento mas, diante dos bons resultados em campo, acredita que não vai demorar para outros clientes aderirem ao tratamento de bico por infravermelho, que é feito no incubatório, uma única vez.

“As vantagens são imensas”, entusiasma-se o gerente geral da Planalto. A começar, aponta ele, pelo melhor desenvolvimento dos lotes, economia de mão de obra, além de riscos sanitários e trabalhistas muito menores. E mesmo quem tem equipe dentro da granja para fazer o tratamento tradicional com lâmina quente, muitas vezes precisa executá-lo de madrugada para aproveitar as horas de clima mais ameno e preservar as aves. Porém, isso acaba sacrificando os funcionários, gera custos extras e, claro, pode prejudicar o trabalho, pois é difícil trabalhar de madrugada com a motivação e a acurácia necessárias para uma tarefa tão delicada.”

É o que o avicultor Eduardo Mizohata entendeu na prática. “Depois que a Planalto Postura passou a adaptar o tratamento de bico com infravermelho à nossa realidade, as aves já vêm prontas, sem necessidade desse manejo de bico na granja, o que facilitou muito o trabalho de campo, além de tornar o manejo mais econômico”. Isso foi possível, de acordo com Marco Soares, porque a equipe Planalto Postura estudou muito bem os casos, tanto os bem-sucedidos quanto os insucessos. E entendeu que tudo dependia, principalmente, de dois fatores: a uniformidade das pintainhas a serem tratadas (quanto mais os bicos forem iguais em tamanho, melhor é o processo de tratamento) e os ajustes no equipamento de acordo com o tamanho dos pintos, idade das matrizes, linhagem, entre outros aspectos que determinam o tamanho mais uniforme do bico.

Nos últimos lotes alojados os processos foram adequados entre as equipes da Planalto Postura – Nova-tech e Granja Mizohata. E os resultados têm sido considerados um sucesso, de acordo com os dados das planilhas de controle de produção que a Granja Mizohata acompanha diariamente.

De acordo com o avicultor Eduardo Mizohata, o bico da pintainha tratada no incubatório cai entre 10 e 15 dias depois de alojada. E um detalhe: mesmo o bico caindo em dias diferentes, o lote não tem apresentado diferenças de desempenho. Ao contrário, a uniformidade do lote tem sido um ponto alto da experiência, tanto em consumo de ração quanto de água, o que se reflete em sanidade, ganho de peso e uniformidade dos pesos. “Nossa experiência nos lotes que temos recebido da Lohmann Lite-NA com tratamento de bico por infravermelho tem demonstrado índices de peso superior em cerca de 15% em relação a outros lotes com tratamentos de bicos convencionais por lâminas quentes”, afirma o produtor. E com um detalhe muito importante: não houve a ocorrência de canibalismo entre as pintainhas.

 

Tecnologia da Nova-tech: valorizando produtividade e bem-estar animal

 

Outro ponto que Eduardo Mizohata ressalta é a uniformidade do tamanho do bico das aves do lote com tratamento por infravermelho: “Em relação aos lotes que temos com os tratamentos convencionais com lâminas quentes, a uniformidade do tamanho e formato de bico é bastante superior. Com isso, o lote com tratamento infravermelho fica bem mais saudável, com maior resistência, um desenvolvimento uniforme e uma resposta vacinal superior”. Outro ponto que destaca é que as aves ficaram desde o começo mais resistentes ao ataque de ácaros e piolhos. Provavelmente porque com bico aparado de maneira mais uniforme e no ângulo correto, as aves têm condições de se livrar dos piolhos com seu comportamento natural de bicar nas penas, o que impede a infestação.

 

ADAPTAÇÕES E RESULTADOS

Satisfeito com os resultados das mudanças feitas pela Nova-tech, adaptando a tecnologia à realidade da avicultura brasileira, Marco Soares destaca que, diante dos bons resultados na Granja Mizohata, outros clientes que têm aves Lohmann LSL-NA e Lohmann Brown-NA já começam a optar pela tecnologia. Isso levará a Planalto a investir em mais equipamentos da empresa americana para oferecer a mais clientes o acesso e a facilidade da nova tecnologia. O gerente acredita que, enquanto as pesquisas genéticas avançam para chegar à linhagem com bicos menores e mais arredondados, o tratamento por infravermelho será a solução mais adequada por dispensar mão de obra externa, riscos sanitários e estresse nas aves.

“Com as adaptações que fizemos, finalmente o tratamento por infravermelho passa a ser a solução mais adequada a esse importante manejo das pintainhas”, destaca, lembrando que houve um fator determinante para tornar isso possível: a Planalto Postura investiu em máquinas classificadoras de ovos férteis para fazer uma padronização dos ovos incubáveis. Dessa forma, as pintainhas de cada lote nascem com pesos e tamanhos uniformes, tornando mais eficiente o tratamento pelo infravermelho. “Esse investimento na padronização foi fundamental para o sucesso do processo todo. Estamos muito confiantes com os bons resultados em campo”, anima-se.

 

ÍNDICES SUPERIORES

 

Olimpio: excelentes índices

 

Quem também se anima cada vez mais com os resultados que vê em campo é o médico veterinário Olímpio de Miranda Júnior. Ele é gerente técnico da Planalto Postura, com grande experiência em processos de incubatório e manejo de aves de postura, e acompanha de perto o desenvolvimento dos primeiros lotes de pintainhas Lohmann LSL-NA na Granja Mizohata que receberam o tratamento de bico por luz infravermelha. “Como comparativo, nos primeiros lotes estavam sendo avaliados parte das aves com debicagem tradicional com lâminas quentes e o restante com tratamento de bicos por infravermelho. Na medida em que os resultados foram surgindo, a proporção entre os tratamentos foi aumentando. Hoje a Granja Mizohata está comprometida em ter 100% dos lotes recebendo o tratamento infravermelho no incubatório”, garante.

O primeiro aspecto que Olímpio destaca é que as pintainhas com tratamento de bico por infravermelho tiveram excelentes índices de ganho de peso, uniformidade e mortalidade, bem superiores aos índices do plantel-controle, que receberam o tratamento de maneira convencional com lâminas quentes. “Como referência de parâmetros, apontamos que na 3ª semana o plantel com tratamento de bico com infravermelho teve um peso médio de 200 gramas, enquanto o lote com bico tratado no método tradicional com lâminas quentes teve peso médio de 170 gramas”, informa o médico veterinário, apontando que esse é um excelente indicador de que o novo tratamento poupa a ave e permite melhor desenvolvimento em uma fase do crescimento de extrema importância para o lote.

Atualmente o primeiro lote-teste alojado na Granja Mizohata está em fase de postura. Não se observou casos de canibalismo ou qualquer desafio na fase de cria e recria. “Agora que o lote está na fase da postura, vamos continuar acompanhando seu desempenho, com especial atenção aos índices de produção e ao comportamento das aves nessa fase para que possamos ter parâmetros completos do lote até o final. Até o momento não houve intercorrências relacionadas ao tamanho/formato dos bicos”, diz Olímpio Miranda, bastante satisfeito com o que tem acompanhado em campo, não só na Granja Mizohata como também em outras granjas paulistas, de Goiás, Minas Gerais e Nordeste.

Para ele, é importante acompanhar os lotes Lohmann LSL Lite – NA em várias regiões para obter cada vez mais dados que comprovem o sucesso desse novo método de tratamento de bico. Profissional experiente, Olímpio Miranda afirma, categórico: “Nossa equipe toma decisões técnicas embasadas em profunda análise de nosso banco de dados. Não levamos em conta questões subjetivas, pois tratamos a avicultura como uma ciência e, como tal, deve ser vista com objetividade e não com ‘impressões’ sem base científica. Nosso cliente pode ter a certeza de que cada indicação que damos é técnica, visando o melhor para a produção.”

 

NOVA-TECH ENGINEERING: The chicks first

 

 

Daniele: adaptação à realidade do Brasil

 

O método do tratamento de bico com infravermelho foi desenvolvido pela empresa Nova-tech Engineering (NTE), empresa americana especializada em sistemas robóticos e que tem como foco principal o mercado avícola. Sediada em Willmar (Minnesota – EUA), a empresa foi fundada em 1992 e tem presença global.

Para atender países de clima quente e estudar adaptações da técnica à realidade das granjas do Brasil – um mercado especialmente importante para a empresa -, a Nova-Tech contratou dois profissionais brasileiros: a engenheira agrônoma Daniele Duarte Johnson (foto abaixo) – uma gaúcha que mora em Minnesota, mesmo estado onde está instalada a fábrica – e o médico veterinário Mauricio Nascimento, que mora no Brasil. Ambos acompanham bem de perto os resultados que vêm sendo obtidos nos planteis Lohmann LSL-NA com as alterações feitas a pedido dos técnicos avícolas da Planalto Postura. Daniele Duarte Johnson atua também em Portugal, Espanha, Polônia e Estados Unidos.

A engenheira da Nova-tech disse em entrevista à A Hora do Ovo que o tratamento de bico que está sendo testado com clientes da Planalto Postura teve adaptações nas máscaras, refletores e poderes de lâmpadas de energia infravermelha diferentes. “Lançamos uma máscara e refletor para países de clima tropical, que possibilita a diminuição do poder de lâmpada e elimina os casos de ‘recrescimento’, evitando que os bicos cresçam novamente de forma desuniforme. Ainda estamos em fase de testes e poderemos fazer algumas pequenas mudanças, porém estamos confiantes de que essa nova configuração das máquinas irá eliminar a necessidade de repasses com lâmina quente”.

Daniele explica que a máscara determina com precisão a área de bico exposta à energia infravermelha e o poder da lâmpada é completamente ajustável. Assim, pode ser determinada a quantidade de energia enviada ao tecido do bico, ao mesmo tempo que um refletor faz o tratamento do bico inferior. “É a energia infravermelha que interrompe o fluxo de sangue na área tratada do bico e entre 7 e 21 dias esta parte cairá completamente, permitindo que a ave se acostume gradualmente ao novo comprimento de bico.”

Ela já esteve em Bastos para conhecer os resultados do trabalho feito na Granja Mizohata e verificar como as aves têm reagido ao novo manejo de bico. Animada com os resultados, Daniele afirma que há alguns anos a Nova-Tech tem conseguido chegar ao perfil de bico ideal na grande maioria dos mercados em que atua, realizando somente o tratamento infravermelho de bicos no incubatório sem a necessidade de posterior repasse com lâmina quente na granja. “Em países de clima quente e que possuem galpões abertos e alta luminosidade, como Brasil, Índia e Sudeste Asiático, precisamos tratar maior área dos bicos, pois eles crescem mais rápido nessas condições. No Brasil, com a introdução da nova máscara e refletor, estamos muito perto de chegar ao perfil de bico ideal, onde a parte superior e inferior são do mesmo tamanho quando a ave atinge o início de produção”, destaca.

Apontando que o mercado brasileiro é um dos mais peculiares e desafiadores do mundo, Daniele ressalta: “Nosso lema é The chicks first (A pintainha primeiro) e nossa maior preocupação é o bem-estar das aves. Logo, nos esforçamos para fazer o mínimo de tratamento possível nos bicos para que a pintainha expresse o máximo de seu potencial genético e capacidade produtiva. Temos acompanhado maior uniformidade dos lotes, peso corporal elevado, baixíssimas taxas de mortalidade”. Um ponto que a profissional da Nova-tech enfatiza é o cuidado com os bebedouros das aves: “Já realizamos muitos testes e comprovamos que para o avicultor ter sucesso com aves com tratamento infravermelho é crucial que os galpões sejam equipados com bebedouros tipo Nipple 360 ou Nipple vertical e bebedouro suplementar (infantil, calha), ao menos nos dez primeiros dias de vida das aves.”

 

Fonte: A Hora do Ovo – Elenita Monteiro

Link: http://www.ahoradoovo.com.br/lista/ovonews/post/Tratamento-de-bicos-ganha-inovacao-com-apoio-da-Planalto-Postura?fbclid=IwAR2UNJjaJvGs51-3pfdyewd1llBpqjYYkUiOvBz5OwzP4spWNwcRr_CVvrc

Compartilhe:

Deixe um comentário